AcompanhamosCinema

“O Escândalo” se propõe a denunciar assédio sexual mas se perde no caminho

Por: Daniel Marques Vieira Precisamos falar sobre violência contra a mulher. É um problema grave e com raízes profundas na nossa sociedade. Precisa ser denunciado e figuras públicas envolvidas em...

Charlize Theron as ‘Megyn Kelly’ and Liv Hewson as ‘Lily Balin’ in BOMBSHELL. Photo Credit: Hilary Bronwyn Gayle.

Por: Daniel Marques Vieira

Precisamos falar sobre violência contra a mulher. É um problema grave e com raízes profundas na nossa sociedade. Precisa ser denunciado e figuras públicas envolvidas em assédio e outros tipos de violência não podem ser perdoadas. Mas pela importância do tema, é essencial que ele seja tratado de forma honesta e com responsabilidade. O Escândalo (Bombshell, no original), filme que chega aos cinemas nesta quinta-feira (16/1) se propõe a entrar a fundo no tema, mas escorrega no percurso. 

A trama retrata uma história real: em 2016, um escândalo estourou na mídia americana – o diretor do canal de notícias Fox News, Roger Ailes, foi alvo de diversas denúncias de assédio sexual no trabalho. ( O canal, conhecido por ser conservador, teve um papel importante na campanha de Donald Trump. Então dá para imaginar que foi um caso que causou impacto gigantesco nas vítimas e balançou a estrutura de poder nos EUA.

Nesse contexto, o filme adota uma postura didática sobre o assédio sexual no ambiente de trabalho, chegando a quebrar a quarta parede várias vezes para explicar o contexto a quem assiste. Por conta do tema, o filme é chocante – acerta ao pautar um assunto extremamente necessário de ser abordado. Mostra como um ambiente conservador tira o crédito de mulheres que alegam ser vítimas de abuso, antes mesmo de qualquer investigação, perpetuando assim a violência. 

O filme ganha pontos pela ousadia de representar figuras reais sem máscaras. Vemos figuras importantes para o contexto político dos EUA na pele de ótimos atores. Além de Roger Ailes, o diretor da Fox News interpretado por John Lithgow, cuja caracterização contribuiu muito para indicação do filme ao Oscar de Melhor Maquiagem, Bill Shine (ex-executivo da Fox e posteriormente membro da equipe de comunicação de Donald Trump) e Rudy Giuliani (ex prefeito de Nova York e advogado particular de Trump) também são representados sem medo pelos atores Mark Moses e Richard Kind.

Nicole Kidman e Charlize Theron impressionam como as apresentadoras Gretchen Carlson e Megyn Kelly. Atuar como alguém que realmente existe é sempre complicado, mas as atrizes conseguem incorporar as personagens e entregam muito bem as cenas de tensão. Vale dizer que Charlize Theron mereceu a indicação ao Oscar de Melhor Atriz.

O filme empolga, (quem não gosta de ver os protagonistas vencerem a luta?), mas o retrogosto é amargo. Quando os créditos sobem e começamos a analisar o que vimos, questões importante aparecem. Primeiro vale notar que o filme é escrito e dirigido por homens – Charles Randolph e Jay Roach, respectivamente. Esse fator parece imprimir na trama ares de batalha e intriga política, “nós contra eles”, e deixa de se aprofundar no impacto psicológico que o assédio sexual tem nas personagens. Para ser justo, uma única cena é dedicada a isso.

O roteiro delega à Margot Robbie um papel infeliz, apesar da atriz apresentar um ótimo desempenho. Das protagonistas, Kayla Pospisil é a única que não representa uma mulher que realmente existe. A intenção era criar uma personagem que servisse ao didatismo do filme. Como retrata o momento em que as denúncias de assédio explodiram na mídia, portanto algum tempo depois dos abusos, o roteiro criou a personagem de Margot Robbie apenas como uma ferramenta para mostrar a violência em tela. Para piorar, apesar de falar contra a objetificação das mulheres, o filme não hesita em exibir cenas desnecessariamente explícitas. Um pouco de criatividade da direção e da fotografia seria suficiente para mostrar a gravidade do que está acontecendo sem levar adiante a objetificação que diz combater. A personagem criada por Charles Randolph perpetua estereótipos batidos, preconceituosos e prejudiciais – é a mulher bonita e sensual, mas inocente de tudo. 

Kayla Pospisil ainda serve a outro propósito questionável – que é pintar religiosos e conservadores como hipócritas, de forma maniqueísta. É uma provocação feita no lugar errado – empobrece o debate e gera bloqueios na audiência que realmente precisa ouvir o que o filme tem a dizer.

O Escândalo é uma produção com boas intenções, mas que se perde por não entender a responsabilidade que tinha.

Mais Notícias
Cinema

Mostra Ecofalante de Cinema exibe 37 filmes em Brasília

Cinema

Filme de Glória Teixeira será exibido no domingo no Cine Brasília

Cinema

Festival Taguá de Cinema terá Mostra Competitiva em junho com premiação em dinheiro

Cinema

Mostra de Cinema no Cine Brasília homenageia a cidade do Núcleo Bandeirante