AcompanhamosCinema

Crítica: “Judy: Muito Além do Arco-Íris” não convence

Quais elementos ajudam um filme a conquistar o público? Uma boa fotografia? Direção e atuação? Também. Mas principalmente a história que ele está tentando contar. Isso inclui ter uma narrativa...
Cena do filme Judy - Muito Além do Arco-Íris" em que a Atriz Renée Zellweger canta usando um vestido florido. Ao fundo é possível ver a banda que a acompanha na apresentação

Atriz Renée Zellweger em "Judy - Muito Além do Arco-Íris" Foto: eOne Germany

Quais elementos ajudam um filme a conquistar o público? Uma boa fotografia? Direção e atuação? Também. Mas principalmente a história que ele está tentando contar. Isso inclui ter uma narrativa envolvente e personagens carismáticos, elementos que faltam e muito em “Judy: Muito Além do Arco-Íris”, apesar do filme ter domínio sobre os elementos técnicos.

A produção é uma cinebiografia de Judy Garland (interpretada por Renée Zellweger, que disputa o Oscar de 2020 na categoria Melhor Atriz). Judy é um ícone do cinema, lembrada por interpretar a Dorothy do famosíssimo O Mágico de Oz, em 1938. Em vez de fazer uma viagem panorâmica pela biografia da personagem, que é a postura adotada por muitos filmes biográficos, o roteiro foca em um período específico da trajetória de Judy. Depois da fama, com a carreira “em baixa”, a atriz precisa enfrentar um divórcio, a briga pela guarda dos filhos, além de lidar com alcoolismo e abuso de medicamentos. Com problemas financeiros ela é forçada a tomar decisões difíceis para reinventar sua carreira. 

O recorte narrativo é uma escolha interessante, que poderia render. Não é uma jornada em busca de um grande feito, de redenção ou em direção a um grande ato de heroísmo. Conhecemos uma Judy quarentona, deprimida, que luta para voltar a ter a atenção do público. Só somos introduzidos ao passado de Judy através de flashbacks. 

O problema da narrativa é que ela não consegue convencer o espectador de que os temas centrais do filme realmente têm alguma importância. A história fala muito sobre os problemas por trás da indústria do entretenimento ao mesmo tempo que diz que o objetivo da personagem é conseguir algum dinheiro para viver como uma pessoa normal perto dos filhos. Não convence. Vemos na tela uma Judy tomada por vícios e cujo único desejo é ser amada pelo público e receber aplausos (isso não é interpretação – no filme a personagem diz isso) e deixa uma certa impressão de uma Judy orgulhosa e narcisista. Não tenho conhecimento suficiente para dizer se Judy Garland realmente era assim ou se foi algo que surgiu na cinebiografia. De qualquer forma, não somos convencidos a torcer pelos objetivos da personagem e o filme perde carisma. Talvez o erro do roteiro seja tentar surfar na onda de cinebiografias (como Rocketman e  Bohemian Rhapsody) e presumir que o público vai chegar no cinema já sabendo quem é e já se importando o suficiente com Judy Garland para sentir as dores da personagem.

“Judy: Muito Além do Arco-Íris” é um filme feito com aquela conhecida fórmula para premiações, especialmente o Oscar – é uma drama que massageia o narcisismo de Hollywood ao falar sobre a própria indústria cinematográfica. É uma grande e cara produção inspirada em fatos reais, tem boa fotografia e bons atores. O problema é justamente que é um filme feito da indústria para a própria indústria. Para o público, tem uma boa chance da história ser desinteressante.

Mais Notícias
Cinema

Mostra Ecofalante de Cinema exibe 37 filmes em Brasília

Cinema

Filme de Glória Teixeira será exibido no domingo no Cine Brasília

Cinema

Festival Taguá de Cinema terá Mostra Competitiva em junho com premiação em dinheiro

Cinema

Mostra de Cinema no Cine Brasília homenageia a cidade do Núcleo Bandeirante