Variedades

Associação de turismo receptivo promove ato para cobrar ajuda do GDF

O setor de turismo é o um dos mais afetados pela crise da Covid-19. Dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estimam que o turismo...

O setor de turismo é o um dos mais afetados pela crise da Covid-19. Dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estimam que o turismo no Brasil perdeu R$ 2,2 bilhões somente na primeira quinzena de março. Com esse pano de fundo, a  Associação Brasiliense de Turismo Receptivo (ABARE) promoverá, nesta quinta-feira (28), uma carreata para requisitar ao Governo do Distrito Federal direitos à categoria em meio aos reflexos da pandemia. O protesto pretende reunir mais de cem veículos em uma concentração no estacionamento do Mané Garrincha, a partir das 10h. Depois, o grupo seguirá até a Esplanada dos Ministérios. 

Segundo Reinaldo Ferreira, presidente da associação e um dos líderes do movimento, será um ato pacífico, organizado e já recebeu apoio de outros estados do país, como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. “O objetivo é cobrar uma assistência do GDF nesse momento de crise. Além disso, os representantes da nossa categoria se unirão para uma causa mais que nobre: arrecadar cestas básicas que serão doadas para instituições carentes do DF. A ajuda é  bem-vinda de todos os lados nesse período que vivemos”, pontua. 

Entre as reivindicações encabeçadas pela ABARE, há a diminuição dos impostos, isenção do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e a flexibilização de crédito. Para além de uma manifestação de reivindicação, o grupo busca ainda propor ao Executivo local alternativas que ajudariam o setor de transporte receptivo turístico de Brasília. São elas: pagamento de auxílio emergencial de R$ 3.000,00 por veículo; incorporação de toda a frota para atuar nos contratos públicos e inclusão no transporte público de passageiros do DF.

“Apesar da situação de falência hoje do setor, não podemos desistir de tentar mover a máquina pública para nos auxiliar nesse momento. Esses são exemplos de parcerias com o poder público para que de alguma forma possam amenizar a ausência plena de esperança na nossa atividade. A inclusão do setor na estratégia pública se dá por entendermos que o nosso setor produtivo foi massacrado pelas medidas do governo contra a Covid-19. Nesse ínterim, se faz necessário a reparação urgente pelo poder público”, explica Ferreira.

Serviço essencial 

Um decreto para incluir o setor de turismo receptivo como atividade essencial durante a pandemia do novo coronavírus foi publicado nas últimas semanas em edição extra do Diário Oficial da União. Pelo dispositivo, essa atividade passa a ser considerada essencial, desde que obedecidas as determinações sanitárias do Ministério da Saúde. “Se é essencial tem que ser remunerado com algum auxílio mesmo que parado. Se é essencial porque não está  sendo usado de forma essencial pelos governos?”, questiona Reinaldo. 

SERVIÇO

O que é: manifestação da ABARE em cobrança pela ajuda do GDF 

Onde: concentração no estacionamento do Mané Garrincha 

Horário: a partir das 10h

Mais: ato terá arrecadação de cestas básicas para instituições carentes do DF

Mais Notícias
Variedades

Tailândia Podcast é um novo espaço para que artistas independentes do DF tenham local para gravações

Variedades

Final de semana com diversas atrações em Ceilândia

Variedades

Confira do Documentário da Expedição Brinquedo de Ler

Variedades

Em Maio, Ceilândia recebe o 3º Festival Operárias das Artes