Causas

Último ato de “Quem partiu é amor de alguém” acontece dia 29

Desde o dia 1º de junho, toda segunda-feira no fim da tarde, a arte, a natureza e a arquitetura de Brasília têm encontro marcado com a genialidade do mestre, Hugo...

Crédito: Kazuo Okubo

Desde o dia 1º de junho, toda segunda-feira no fim da tarde, a arte, a natureza e a arquitetura de Brasília têm encontro marcado com a genialidade do mestre, Hugo Rodas, nas performances da série Quem partiu é amor de alguém. Em tempos de descaso das autoridades com a vida, os artistas da capital, de forma voluntária resolveram espalhar amor, reverenciar as milhares de vítimas do Coronavírus e, mesmo que silenciosamente, dar muitos recados.

Na próxima segunda-feira, dia 29 de junho, esse esforço coletivo irá concluir seu ciclo com o ato Força do Amor, que promete reunir centenas de trabalhadoras e trabalhadores da cultura do DF, a partir das 16h, na Praça dos Três Poderes.

Vestidos de branco, com máscaras, respeitando o distanciamento, carregando balões e bandeiras com corações vermelhos, os profissionais de toda a cadeia produtiva da cultura candanga se juntam nos atos repletos de afeto. O caminhar lento e firme, e a presença silenciosa e meditativa de profissionais da cultura em espaços de arte e poder, realçam a importância de se olhar para dentro e de entrar em sintonia com o todo.

As cores branca e vermelha, representando paz e amor, se fundem ao amplo horizonte da Capital e ao azul celeste do coração do Brasil. Lançados ao ar, os balões em formato de coração irradiam amor, afeto e compaixão a todos e todas, nos vários cantos do mundo, mas em especial aos mais afetados pela pandemia.

As Vigílias Silenciosas repercutiram na imprensa mundial e conquistaram público cativo nas redes sociais. Quem partiu é amor de alguém já homenageou as mais de 50 mil vítimas do novo Coronavírus, reverenciou os profissionais da Saúde, protestou contra o racismo, a favor da democracia e lembrou também os povos originários, as vidas indígenas perdidas e as florestas desrespeitadas e negligenciadas.

A itinerância dos atos constrói uma narrativa carregada de simbologia. Iniciada na Rodoviária do Plano Piloto, cravada no centro da cidade, representou a conexão com a terra e o coletivo. A segunda vigília teve como cenário os espelhos d’água da ampla Praça do Museu Nacional, fazendo escorrer, como água, amor e afeto por todos os cantos.

Em frente à Catedral de Brasília, a terceira trouxe um respiro profundo de fé na vida e soprou nos ares respeito e empatia. A seguinte voltou-se à bela fachada do Teatro Nacional, em reverência à indiscutível chama da criatividade e das artes, imprescindíveis para o autoconhecimento e para lidar com desafios.

Este último dos 5 Atos da vigília, no dia 29 de junho, pretende levar um Ato de amor ao núcleo central das tomadas de decisões. Esta derradeira vigília silenciosa propõe religar a matéria (palpável) com a energia etérea que atravessa pensamentos e intenções. Após este 5º Ato, campanha seguirá com ações virtuais em seus canais no Instagram (instagram.com/quempartiueamordealguem/) e no YouTube (youtube.com/channel/UC1VRztwt33r56w-jl7NsHsw).

Mais Notícias
CausasShopping

ParkShopping anuncia última edição de 2023 da feira de adoção de pets

CausasGratuito

Colégio Objetivo DF oferece bolsas de estudo para 2024 com inscrições gratuitas

Causas

CEUB oferece acompanhamento psicológico de baixo custo à comunidade

CausasGastronomia

Starbucks resgata o Pride Frappuccino em apoio ao mês do orgulho LGBTQIAP+