Especial

Abrasel participa de ato em defesa da reabertura do comércio

Nesta terça-feira, 23 de junho, às 10h, a Abrasel DF se reunirá em frente ao Palácio da Justiça, juntamente com as demais associações dos setores que ainda não reabriram – Simbeleza; Sindhobar; Cref7; SindBele – para...

Restaurante

Nesta terça-feira, 23 de junho, às 10h, a Abrasel DF se reunirá em frente ao Palácio da Justiça, juntamente com as demais associações dos setores que ainda não reabriram – Simbeleza; Sindhobar; Cref7; SindBele – para reivindicar o direito à reabertura segura do comércio no dia 1o de julho, conforme prometido pelo Governador Ibaneis Rocha. Os setores esperam que a Justiça reconsidere a suspensão da retomada das atividades de alguns segmentos do comércio. Segundo os representantes participantes do ato, a decisão do Tribunal Regional Federal da 1a Região (TRF-1), ocorrida no último dia 20, desconsidera o compromisso dos empreendedores com protocolos de segurança debatidos com as entidades produtivas e formulados e aprovados junto com as autoridades sanitárias.  

Segundo o Presidente da Abrasel Df Beto Pinheiro, “estamos prontos e preparados para reabrir as portas no dia 1o de julho, conforme prometido pelo Governador Ibaneis Rocha”. É preciso reforçar que, como o Judiciário, a principal preocupação do comércio também é com a preservação da vida. Por isso, a intenção é de promover uma retomada segura das atividades econômicas, sem ameaçar a população, tampouco perdendo milhares de empresas e empregos que estão cada dia em situação mais crítica. No dia 21, mais de 30 associações assinaram um ato de repúdio à decisão do TRF-1. O documento alega que a Justiça tem arbitrado o comportamento do comércio em desacordo com as instruções do GDF, causando impacto direto em segmentos cuja liberação já estava em negociação. 

As entidades que assinaram a nota de repúdio foram: Fecomércio-DF, Abrasel-DF, Sindhobar-DF, ADVB, Brasília Convention Bureau, ABIH-DF, Sindilab-DF, CDL, Sindivarejista-DF, Agenciauto- DF, Sinfor-DF, Abav-DF, Sindetur-DF, Simbeleza, SECHOSC, ACDF, Secovi-DF, Sindicondomínio-DF, Scaab-DF, Sindimac-DF, Sescon-DF, Fape-DF, Sindicombustíveis-DF, Sindeventos-DF, Sindsuper-DF, Asbra, Sindigêneros-DF, Sindercom, Associação Nacional de Restaurantes, BPW Brasília, Sindiatacadista-DF, Sinfoc-DF, Sindipel-DF. 

Dados no DF: 

Até o momento, o fechamento dos bares e restaurantes, segmento mais atingido, já produziu 30 mil trabalhadores desempregados e um prejuízo de R$ 750 milhões podendo atingir R$ 1,8 bi. Uma projeção sobre as notas fiscais emitidas revela que os empresários na área de vestuário vão perder, no semestre, R$ 1,5 bilhão, e o de combustível, outros R$ 6 bilhões. Assim como são enormes os prejuízos nos segmentos de academias de ginástica e salões de beleza, que estão há três meses sem funcionar. 

A contabilidade das famílias atingidas apresenta uma estimativa de 82 mil desempregos no comércio de Brasília e a enorme cifra de R$ 1,4 bilhão na diminuição de recursos do ICMS e ISS do governo do GDF. Todos chegam à fronteira do desespero, com empresários falindo, trabalhadores sem emprego e milhares de mortos sendo velados. 

Mais Notícias
Especial

Brasília recebe treinamento imersivo de vendas com André Nunes

Especial

Ex-Casseta Maria Paula estreia programa sobre empreendedorismo

EspecialGratuito

Colégio Objetivo promove feira com o "Mundo em Transformação"

Especial

Complexo Cultural do Choro oferece programação diversa para toda família