Gratuito

“O Fio de Minos” estreia no SESC Garagem

“O Fio de Minos” estreia no SESC Garagem de 12 a 14 de abril. No palco o dançarino e coreógrafo Marcos Buiati ao lado de Caroline Magalhães, Clara Sales, Iago Gabriel Melo e Tascio Andrade, mergulham em um trabalho que traça convergências poéticas entre Dança e o Realismo Mágico Latino-Americano. O espetáculo tem entrada franca mediante retirada de ingressos uma hora antes na bilheteria do Teatro. No dia 13 de abril (sábado) haverá sessão inclusiva com audiodescrição.

O conto “A casa de Astérion” de Jorge Luís Borges, de onde o espetáculo parte, integra o livro “O Aleph”, de 1949, que é considerado pela crítica um dos pontos culminantes da ficção de Borges. O livro reúne em sua maioria peças literárias que “correspondem ao gênero fantástico”.

No conto de Borges, Astérion, que é também o nome próprio do Minotauro, é o personagem principal e narrador da história. Ele vive no labirinto de Creta e o habita como se fosse a sua casa. Astérion vive na solidão do labirinto esperando seu redentor; para ele, a pessoa que o matar o libertará de sua condição monstruosa. A imaginação é a única coisa que lhe permite que a solidão seja mais tolerável.

A morte é para ele uma espécie de libertação de todo mal, assim como ele liberta e redime os homens que entram no labirinto para matá-lo.

No conto, como em muitas de suas obras, Borges vê uma história popular através de uma lente  diferente, lançando luz sobre outras possíveis interpretações dos eventos. O personagem explica sua personalidade narrando fatos do passado, como o pôr-do-sol de um dia em que ele sai do labirinto, e encontra o medo infundido nos rostos e atitudes das pessoas do exterior e se vê obrigado  a voltar ao fundo de sua residência. Ele gasta seus longos dias jogando esconde-esconde, atravessando as vastas galerias de pedra do labirinto, fingindo dormir e às vezes fingindo que “outro Astérion” vem visitá-lo para passear com ele pela sua casa.

Finalmente, no fim do conto, os homens são mencionados, nove homens, que vêm a cada nove anos “para serem livrados do mal”, e cujos corpos, após serem mortos por Astérion, são deixados  nos quartos vazios das galerias de pedra para distinguir umas das outras. Astérion especula sobre sua própria morte e aguarda ansiosamente a chegada de seu “redentor”,  que o levará ao infinito.

A  história  termina com  uma frase de  Teseu: “Acreditarás,  Ariadne? O Minotauro mal  se defendeu”, revelando nessas palavras que o Astérion de Borges era de fato o Minotauro da ilha de Creta da mitologia Grega. O famoso mito de Teseu, Ariadne e o Minotauro conta a história do herói que foi incumbido da tarefa de matar o monstro do labirinto (para não acabar como um de seus tributos) e da jovem apaixonada por ele que, temendo que seu amor não voltasse, dá a ele um novelo de lã para que não se perdesse na volta entre os caminhos tortuosos do emaranhado de paredes de pedra – os famosos “fios de Ariadne”.

Este  mito grego  é conhecido por  muitos de nós, e  a maioria de suas versões,  análises e interpretações partem sempre do olhar e da voz de seu herói, Teseu, e como seus simbolismos refletem  uma visão de coragem, de um homem destemido, e da força que vem do amor de Ariadne para que sua missão fosse completada.

O interessante do conto de Borges, “A casa de Astérion”, é justamente o enfoque deste mito, largamente  difundido, porém pelo ponto de vista do monstro, pelo olhar do Minotauro, que quebra com a  visão tradicional de que os atributos do herói são os mais interessantes e importantes para se relacionar com mundo.

Assim, o que é implícito na história original (o fato do herói e o monstro estarem em pé de igualdade  e a transformação do herói ser somente possível por conta da grandiosidade do monstro) Borges apresenta de forma explícita quando dá voz a Asterion e constrói por seu olhar a  narrativa do clássico. Ainda que no fim Borges mantenha a versão original do mito, com a morte do monstro por Teseu, sãos as características bestiais do personagem principal que têm maior  enfoque em sua narrativa, como metáforas para a inteligência, sagacidade, criatividade, plenitude e onipresença.

A ideia de quem é o herói é radicalmente invertida pela abordagem de Borges e a capacidade de  adaptação, transformação e metamorfose presentes em Astérion são exaltadas como sendo indispensáveis para o alcance da sabedoria e da longevidade.

A metamorfose é representada primeiramente no próprio corpo de Astérion, que é em si um ser híbrido (metade homem e metade touro) e na relação que o monstro tem com a morte (tanto de seus tributos quanto de sua própria por Teseu), que não está associada necessariamente ao fim e ao desaparecimento, mas principalmente, ao infinito e à transmutação, características inerentes ao mundo e seus ciclos.

“O conto “A casa de Astérion” e a corporeidade de seu personagem principal, o Minotauro, serviram de mote principal na pesquisa e estruturação cênica, sendo  alicerces para um corpo com forte construção gestual-expressiva, organizado em uma estrutura cênico-coreográfica que privilegia também uma hibridez da cena, com construção de fortes imagens poéticas em função da organização coreográfica.” Conta Marcos Buiati.

“O labirinto serve de referência para a estruturação espacial da cena, onde dançarinos conduzem a narrativa ao mesmo tempo que busca construir um corpo cênico poético expressivo que corresponda à suas características principais, através de suas movimentações.” Completa o dançarino e idealizador do espetáculo.

A narrativa não está necessariamente presa  à linearidade dos acontecimentos conforme  o mito original Grego. A Marcos Buiati interessa justamente a  subversão do mito original proposta por Borges em seu conto,  a partir do ponto de vista do monstro que traz consigo uma inversão  de valores, uma crítica implícita aos valores ocidentais presentes na maioria dos mitos gregos.

Falar e dançar a partir do ponto de vista do monstro significa portanto estar aberto à seus processos de metamorfose, transformação e desconstrução da linearidade temporal e espacial que aparecem na narrativa original e que é relativizada no conto de Borges.

A   partir   dessa relativização,   a noção de tempo na   organização cênica também  reelaborada, buscando dilatações, suspensões ou acelerações temporais que favoreçam o caráter imagético,  irônico e questionador, característicos do Realismo Mágico, corrente literária característica da obra  de Borges. Marcos Buiati se da narrativa e do universo imagético do conto de Borges, ao mesmo tempo que  das características estilísticas e ferramentas de construção subjetiva que são particulares do Realismo Mágico latino americano como um todo.

O espetáculo busca a reflexão sobre a necessidade vital de adaptação, transformação e metamorfose, características tão presentes nas nossas relações humanas e que são apresentadas de  maneira profunda no conto de Borges. “E, por este aspecto, podemos evocar também a própria condição humana. Buscamos constantemente a evolução, a mudança, mas quando ela se apresenta  diante de nós, tendemos a negá-la apaixonadamente, como se temêssemos nossa própria metamorfose.” Por fim, o espetáculo busca instigar no público e nos artistas justamente uma relação de metamorfose, de transformação e alteração de percepção de nosso cotidiano, e quem sabe, fazer público e artistas se espantarem de novo com algo que já havia se tornado… rotina.

Sobre o artista:

Marcos Buiati é Mestre em Performances Culturais pela Universidade Federal de Goiás e Bacharel em Dança pela UNICAMP. Professor da área de dança do Instituto Federal de Brasília – IFB criou em 2017 o DESAPARECER – Núcleo de Pesquisa e criação em Dança que desenvolve trabalhos nas frentes de consciência corporal, preparação técnica, composição e dramaturgia. Foi contemplado em 2017 e 2015 pelo Fundo de Apoio à Cultura da Secretaria de Cultura do Distrito Federal e 2014 com o Prêmio Funarte Klauss Vianna de Dança. Tem ampla experiência como dançarino/intérprete, tendo atuado em várias cias de dança no Brasil, como a Edson Beserra e Seu Composto de Ideias/DF (2013 – 2017), a Quasar Cia de dança/GO (2009 – 2013), a Maurício de Oliveira e Siameses/SP (2009), e a Cia Fragmento de Dança/SP (2007 – 2009); além de dançar em seus próprios projetos coreográficos.

O projeto é financiado pelo Fundo de Apoio à Cultura (FAC) da Secretaria de Cultura do Distrito Federal (Secult-DF), com apoio do SESC e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília (IFB).

Related posts
CausasGratuito

Projeto oferece oficinas de moda para mulheres

GratuitoShopping

Pátio Brasil anuncia programação especial de Páscoa

GratuitoTeatro

Conic recebe espetáculo gratuito Um Teto Todo Seu, comédia feminista

Gratuito

Livro sobre Sergio Rodrigues e o Mobiliário da UNB é lançado no Museu de Arte de Brasília

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.