Saúde

Estudo aponta que o número de espermatozóides diminuiu cerca de 50% ao longo das décadas

Um estudo recente publicado pela revista Human Reproduction da Universidade de Oxford, nos Estados Unidos, concluiu que, nos últimos 50 anos, o número de espermatozóides parece ter diminuído cerca de 50% em todo o mundo. Ainda não é possível afirmar se a fertilidade está sendo afetada por esse fenômeno, mas essa redução não deixa de ser um alerta importante sobre a saúde masculina.

De acordo com a especialista em reprodução humana Dra Lorrainy Rabelo, o sêmen é considerado um “termômetro” da saúde do homem, de forma que a queda na sua qualidade, mesmo que não implique em dificuldades de reprodução, não é um bom sinal.

A pesquisa avaliou a contagem dos espermatozóides de 1973 até 2018, mas não foram analisadas quais foram as possíveis causas dessa diminuição importante. Segundo os pesquisadores do estudo, desde 1973 o declínio na contagem era de uma média de 1,16% ao ano, mas a partir dos anos 2000 foi acentuado para 2,64% ao ano.

A médica explica que os dados são alarmantes sobre a fertilidade e a saúde masculina em geral. ‘’Um dado muito significativo que nos leva a algumas reflexões. Primeiramente, porque podemos descartar provavelmente as alterações genéticas como causa, visto que a alteração ocorreu de forma muito abrupta para se aventar essa causa. O que nos leva a considerar mais fatores ambientais e hábitos de vida como determinantes, pois nos últimos anos, a população esteve mais exposta a dietas ricas em alimentos ultraprocessados, consumo excessivo de álcool e tabaco, além de obesidade, estresse, sedentarismo dentre outros fatores que sabidamente são maléficos para a saúde global do indivíduo”.

Além disso, a especialista acredita que os disruptores endócrinos possam ser também aventados como possíveis causas. Eles agem por mecanismos fisiológicos pelos quais substituem os hormônios do nosso corpo, ou bloqueiam a sua ação natural, ou ainda, aumentando ou diminuindo a quantidade original de hormônios, alterando as funções endócrinas.

‘’A exposição ao que chamamos de disruptores endócrinos, excesso de plásticos, agrotóxicos e radiação promovem a alteração na qualidade dos nossos gametas [células reprodutivas responsáveis pela formação de uma nova vida] diretamente. O estudo é um grande alerta para uma necessidade urgente de promover qualidade de vida e saúde na vida das pessoas’’, finaliza Lorrainy.

Related posts
Saúde

Rede Bodytech oferece colônia de férias com programação imperdível

Saúde

Lábios ressecados nunca mais! Conheça formas de deixar os lábios lindos e hidratados

KidsSaúde

Você sabe o que é síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica e por que ela afeta crianças e adolescentes?

CausasSaúde

Festas de fim de ano: fogos de artifício e som alto podem prejudicar a audição