Cineasta documenta deficiências da prisão brasileira após percorrer 19 cadeias

Mais notícias:

Conecte-se com a dieta perfeita: Ravenna promove primeiro SPA Indoor de 2021

Que tal começar 2021 vivenciando um método de emagrecimento que funcione de verdade? Dos dias 26 a 29 de janeiro, o Centro...

Abrasel apoia vacinação em massa

A Abrasel entende e apoia a vacinação para todo o Brasil como um passo fundamental no combate à pandemia. Segundo o presidente...

The Queen’s Place elege prato típico britânico para o mês

Batatas fritas feitas no estilo rústico, uma deliciosa pescada empanada e um purê de ervilhas para ninguém colocar defeito: o tradicional Fish...

Lançamento do livro Textículos + Happening “Cabelo, Cabelo Meu”

O ano mal começou e a Infinu, Comunidade Criativa presente na quadra 506 da W3 Sul, já planejou duas ações representativas e...
Juliana Dracz
Jornalista, fundadora e editora-chefe do A Brasília. Ama cachorros.

Presídios, penitenciárias, carceragens de delegacias e celas de quartéis abrigam pouco mais de 748 mil presos provisórios ou condenados no Brasil (Infopen / 2019). São espaços que, em condições normais de convivência, comportam metade desse contingente. A série “Retratos do Cárcere” (teaser) percorreu 19 prisões entre 2017 e 2019 para documentar um sistema caótico, seletivo e ineficaz. A obra audiovisual estreia no dia 6 de agosto, às 20h30, no canal de TV por assinatura Prime Box Brazil.

A direção é da cineasta Tatiana Sager com roteiro de Renato Dornelles, gaúchos que assinam o longa-metragem “Central – O poder das facções no maior presídio do Brasil” (site), o terceiro documentário mais assistido no país em 2017, premiado internacionalmente. Em “Retratos do Cárcere”, a dupla lista 13 diferentes mazelas a partir do encarceramento em massa. Só nas duas últimas décadas, a população prisional brasileira triplicou (232.755 casos nos anos 2000), de acordo com o Departamento Penitenciário Nacional.

O superencarceramento em prisões precárias e fragilizadas tem sido combustível para o fortalecimento do crime organizado, tema do segundo e do terceiro episódios. A série resgata o surgimento e a expansão da Falange Vermelha (atual Comando Vermelho) e o Primeiro Comando da Capital (PCC), além de grupos regionais. Todos são responsáveis por expressiva parcela dos crimes cometidos no Brasil, onde empregam mão de obra jovem para o tráfico de drogas e outros delitos. Essas organizações também estão presentes em países vizinhos.

Do quinto ao sétimo episódio, a narrativa acompanha o drama de quem, mesmo sem ter cometido crime, cumpre uma pena. São os familiares que enfrentam longas filas de espera para se submeter a revistas constrangedoras em dias de visitas. Para manter os laços conjugais, as mulheres praticam relações sexuais com os parceiros em ambientes precários, com pouca privacidade e condições de higiene. Os filhos enfrentam o distanciamento dos pais e sofrem com rótulos impostos pela sociedade aos familiares de presos.

LGBTQIA+, religiosos e trabalhadores são os grupos mais discriminados pela massa carcerária. Eles são segregados duplamente, uma vez que, além do aprisionamento, vivem em locais chamados de “seguros” dentro das prisões. O assunto é tema do oitavo, nono e décimo episódios. A homofobia sofrida nesses ambientes é mais perversa do que a existente fora dos muros e grades, o que inclui agressões e abusos. Religiosos são considerados traidores por optarem um caminho diferente das facções. Já os trabalhadores são vistos como aliados da guarda, por isso inconfiáveis.

Em meio a tantos problemas do sistema, surgem iniciativas que podem ser consideradas como uma luz no fim do túnel, tema do 11° episódio. Uma delas é o método Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado). Criado em 1972 pelo advogado e jornalista Mario Ottoboni para evangelizar e dar apoio moral aos presos, a experiência, que tem como objetivo a humanização do cárcere, já é aplicada em mais de 100 prisões do Brasil e do Exterior, com altos índices de ressocialização e baixos custos.

O 12º capítulo debate o polêmico regime semiaberto que, de acordo com a lei, deveria servir de transição entre o fechado e a volta do apenado às ruas. A falta de estrutura e o descontrole, no entanto, fazem do regime uma ameaça a apenados, que sofrem com pressões, extorsões e tortura de parte de facções (quando não são mortos), e à sociedade, devido à facilidade com que presos saem dos estabelecimentos, cometem crimes do lado de fora e retornam sem serem notados. O episódio final aborda as dificuldades do recomeço e as ofertas para retomada da carreira criminosa.

“Retratos do Cárcere” foi filmado em presídios estaduais e federais nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. É estruturado em imagens inéditas, incluindo o bastidor de rebelião ocorrida Penitenciária Estadual do Jacuí, localizado na Região Metropolitana de Porto Alegre. Apresenta depoimentos e análises de especialistas, pesquisadores e profissionais do sistema de segurança pública e crime organizado do Brasil. Assinam o audiovisual Panda Filmes e Falange Produções.

SERVIÇO
SÉRIE DOCUMENTAL “RETRATOS DO CÁRCERE”
Estreia: 6 de agosto
Canal de TV por assinatura: Prime Box Brazil
Exibições inéditas: quartas-feiras, às 20h30
Último episódio: 29 de outubro
Reprises: sextas-feiras, às 11h; domingos, às 9h30; terças-feiras, às 12h30; e quartas-feiras, às 10h30
Temporada: 13 episódios de 30 minutos
Classificação indicativa: 14 anos

Curta-nos:

Cinema:

Curiosidades de Mulher-Maravilha 1984: Longa foi rodado em 4 países diferentes

Mulher-Maravilha 1984, longa que está em cartaz nos cinemas brasileiros desde o dia 17 de dezembro e trouxe de volta às telonas...

‘O Castelo dos Sonhos’ estreia no Cinema Virtual

‘O Castelo dos Sonhos’, drama indicado ao prêmio de melhor filme no Gijón International Film Festival, estreia no Cinema Virtual em 7 de janeiro....

Confira fotos dos bastidores de Mulher-Maravilha 1984

A Warner Bros. Pictures divulga imagens de bastidores das filmagens do longa Mulher-Maravilha 1984. O filme, que estreou no Brasil em 17 de...