Especial

33º Congresso Nacional Abrasel destaca importância do setor para a sociedade

No palco estiveram o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco; o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni; o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho; o ministro da Cidadania, João Roma; o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações em exercício, Sérgio de Almeida; o advogado-geral da União, Bruno Bianco; o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto; o secretário de Governo do Distrito Federal, José Humberto Pires; o presidente do Sebrae, Carlos Melles; o presidente da Unecs, José César da Costa e, como anfitriões, o presidente do Conselho de Administração da Abrasel, Paulo Nonaka; a líder do Conselho Nacional da Abrasel, Rosane Oliveira; e o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci.

Uma noite que refletiu a importância dos bares e restaurantes para a sociedade brasileira. A solenidade de abertura do 33º Congresso Nacional da Abrasel reuniu na noite desta terça-feira, 10 de agosto, autoridades, líderes políticos e empresariais e formadores de opinião em torno do tema “Impactos socioeconômicos: o imenso alcance positivo do setor na vida dos brasileiros”.

No palco estiveram o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco; o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni; o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho; o ministro da Cidadania, João Roma; o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações em exercício, Sérgio de Almeida; o advogado-geral da União, Bruno Bianco; o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto; o secretário de Governo do Distrito Federal, José Humberto Pires; o presidente do Sebrae, Carlos Melles; o presidente da Unecs, José César da Costa e, como anfitriões, o presidente do Conselho de Administração da Abrasel, Paulo Nonaka; a líder do Conselho Nacional da Abrasel, Rosane Oliveira; e o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci.

“Estamos aqui para discutir o Brasil que nós queremos: um país mais simples para empreender e melhor para viver. E nos perguntamos qual protagonismo a Abrasel, os bares e os restaurantes poderiam ter nessa caminhada. E escolhemos três grandes pontos para tratar: queremos um país com menos desigualdade; um país mais sustentável, atento à economia circular; e um país mais estável política, econômica e socialmente. Nós acreditamos que a gente só encontrará essa estabilidade se ampliarmos de maneira relevante a classe média no Brasil”, afirmou o presidente-executivo da Abrasel, Paulo Solmucci.

Onyx Lorenzoni se disse satisfeito de estar em seu primeiro compromisso como ministro do Trabalho e Previdência, no Congresso da Abrasel. “Estou representando o presidente Bolsonaro, que saúda e envia forte abraço a todos, desejando que esse 33º Congresso Abrasel seja repleto de boas e novas ideias e traga a todo setor ainda mais capacidade para enfrentar os desafios”.

E, somando forças para construir esse Brasil Novo, o presidente do Senado, senador Rodrigo Pacheco, ressaltou a importância do setor e do trabalho conjunto. “Quero me colocar como uma ponte junto ao Congresso Nacional para que possamos fazer e tomar as medidas que sejam efetivamente necessárias e justas para preservação de um setor que é fundamental por vários aspectos: pela geração de empregos, geração de renda, de riqueza e por algo que estimamos muito, que é o entretenimento, o bem-estar, que faz parte da vida e é importante que se tenha. Estou aqui para colocar o Senado à disposição da Abrasel para as grandes discussões do setor e do Brasil”.

Paulo Solmucci lembrou que o setor foi um dos mais duramente atingidos pela pandemia e que pagou uma conta injusta e desproporcional em nome do bem-estar coletivo e, por isso, a Abrasel acionou judicialmente governos estaduais e municipais pedindo a reparação dos danos. “Nosso setor está entre aqueles que perdeu muito. O Brasil recupera-se num V, como gosta de dizer nosso ministro da Economia, Paulo Guedes. Falta agora ver e acertar a reparação com quem pagou essa conta desproporcional”.

O secretário de Governo do Distrito Federal, José Humberto Pires, que representava o governador do DF, Ibaneis, reforçou esse entendimento. “Sou varejista, nasci entre gôndolas de supermercado. Conheço a dor de cada um de vocês. Nós temos feito o máximo que podemos no Distrito Federal para atender os pleitos que chegam até nós”, comentou.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, o setor de turismo e de bares e restaurantes foi duramente atingido pela crise. “Os setores que mais perderam, como o de Turismo e dos bares e restaurantes, nessa flexibilização de abre e fecha, estavam há 14 meses sem faturamento. E foram atendidos pelo novo Pronampe com R$ 1 bilhão destinado a eles, 20$% do total. Juntos corrigiremos essa assimetria. Basta dizer que o V da economia começa a se apresentar; o setor de comércio e serviços, tão judiado e sofrido, está se recompondo de maneira vigorosa. Contem com o Sebrae”, esclareceu.

Related posts
Especial

Próxima edição do Casamento Comunitário corre em abril

EspecialTeatro

Daniel Calvet chega ao DF com Performance e Dança

Especial

Feira Livre do Riacho Fundo II recebe show de forró

Especial

Especialistas da Lei Geral de Proteção de Dados participam da Campus Party Brasília